quarta-feira, 14 de setembro de 2016

Opinião: "Offside"

Autor: Abbey Foxx
Editor: Auto-publicado
Edição/reimpressão: Maio de 2016
ASIN: B01GF2IVI4
Páginas: 232
Origem: Recebido em troca de uma opinião honesta 

Sinopse: I can't get that enormous prick out of my head.
Penny -
Jasper Stone is massive in every respect.
He’s a beast on the field, an animal off it, and just what we need to turn our season around.
Medal winner, star athlete, one hundred percent alpha male at the top of his game.
The trouble is, it’s the wrong one.
That's not the only thing either.
He's cocky, arrogant and constantly in trouble, and that's when he manages to keep that thing in his pants.
I can’t stand him, but unfortunately that doesn't matter right now, because apparently we don’t have a choice. If we want to survive for another year, we need Jasper Stone to help us do it.
It's a risk, but the potential reward is absolutely huge. After all, staying up isn't something Jasper Stone seems to have any trouble with.
Nor is being big and strong.
Bad boy Brit, banned athlete, and bigger all over than I’ve ever seen before, if there's one thing that Jasper knows how to do, it's win.
He'll stop at nothing to get what he wants. Girls, medals, millions of dollars - there's very little that can get in his way.
With him on our team, there's no way that we can lose, and right now Jasper Stone is a free agent.
I just didn't realize I was too.

Jasper -
Banned.
No rugby for a whole f*cking year.
I wouldn’t be here if I had the choice, but apparently, I don't.
The owners want me out of the way, and if I want to continue getting paid, I've got to play ball.
Literally.
I don't even know how to play this game, but that doesn't seem to bother anyone.
The Tigers get me for free, Corsham get rid of their trouble maker and I keep earning money.
Everyone wins.
All I've got to do is keep my head down, survive for a year and get the hell out of there when I'm finally done.
Simple, right?
It is until I meet Penny.

*Offside is a 75,000+ word bad boy sports romance heavy on the steam and light on the sports!*

A minha opinião: Apanhei a oferta de uma cópia de leitura avançada de Offside no Instafreebie e, depois de pesquisar a sinopse, achei a sua premissa interessante e pedi uma cópia. E a verdade é que a premissa até é interessante, a execução é que deixa bastante a desejar... Não consegui gostar dos protagonistas e isso torna difícil torcer por eles ou interessar-me realmente pelo que lhes acontece... De facto, esta opinião vai estar repleta de gifs de olhinhos a revirar, porque foi o que mais fiz enquanto o lia...

A história começa em Inglaterra, com Jasper Stone a chegar uma hora atrasado à comissão disciplinar que irá julgar o seu futuro no desporto que ele proclama amar acima de tudo. Já não me lembro exactamente o que ele fez para ser castigado, mas sei que é apenas mais uma coisa num extenso rol de mau comportamento sempre nas primeiras páginas dos tablóides. Ele está convencido que vai ser como das outras vezes e que vai levar uma multa e pronto. Porque, sabem, ele é a dádiva divina ao Rugby. E às mulheres. E à humanidade em geral...


Mas desta vez estão todos demasiado fartos dele (eu percebo) e castigam-no com uma suspensão de um ano. O que significa que está proibido de jogar durante um ano. Entretanto, do outro lado do Atlântico, mais concretamente numa terrinha no Arkansas, há um clube de futebol americano em sérios apuros. Eles têm mesmo de começar a ganhar ou arricam-se a fechar. Mas heis que a filha do dono do clube, Penny Locke, lê sobre o caso de Jasper e têm uma ideia brilhante: e se o contratarem para jogar na equipa deles a custo zero? Dessa maneira, apesar do clube dele lhe continuar a pagar o ordenado garante que ele se mantêm em forma e afastam-no da imprensa, e eles têm um jogador fantástico sem gastar um tusto.


Aqui tive de voltar a revirar os olhos... Um jogador de rugby é a única esperança de um clube de futebol americano? Eu sei que não pesco nada de desporto, mas custa-me muito a engolir... Mas tudo bem, pode ser que a autora me consiga convencer.


Ou então, não. Mas é assim que o Jasper se vê no meio do nada, numa equipa que claramente não o quer lá, e a jogar um jogo do qual nem sabe as regras... Mas, obviamente, porque ele é de facto uma dádiva divina, ele instantaneamente torna-se no melhor jogador da equipa. O que pode dizer muito da qualidade do resto da equipa... Não, não, ele é que é mesmo o melhor mais bom de todo o sempre!


A Penny até começa por ser uma personagem com potencial. Ela é uma mulher num mundo claramente ainda de homens, mas aguenta-se bem à bronca e é óbvio que adora o jogo de paixão. E é também a única que acredita no potencial de Jasper. Até aqui tudo bem, mas depois percebo que, apesar de todo o discurso sobre manter os jogadores à distância que ela dá ao Jasper quando ele começa imediatamente a atirar-se a ela, ela namora há três anos com a estrela da equipa e mantém-se na relação apesar de já o ter apanhado a traí-la duas vezes... Mas esta é que é mesmo a última hipótese que ela lhe dá...


Errrr, não. Se a autora quer que eu acredite que ela é uma mulher independente e decidida, então não a pode pôr a perdoar um namorado traidor não uma, mas duas vezes. Não dá, lamento.


Por esta altura eu já só estava a ler para ver a gravidade do descarrilamento... Eles eventualmente enrolam-se, descobrem que se amam e que não conseguem viver um sem o outro, mas ele é um jogador de rugby em Inglaterra e ela não consegue imaginar sequer deixar o clube que adora, por isso se calhar o melhor é aproveitarem o tempo que têm e não pensar no futuro. Só que não, claro. Enfim, as coisas lá se resolvem para os dois, mas eu já não queria saber.


Classificação: 2

Sem comentários :

Enviar um comentário