segunda-feira, 31 de agosto de 2015

Opinião: "When We Met"

http://www.wook.pt/ficha/when-we-met-mills-boon-m-b-/a/id/15669155?a_aid=4e767b1d5a5e5&a_bid=b425fcc9
Autor: Susan Mallery
Série: Fool's Gold #13
Editor: Harlequin
Edição/reimpressão: Abril de 2014
ISBN: 9780373778652
Páginas: 352
Origem: Requisitado no NetGalley

Sinopse: New York Times bestselling author Susan Mallery invites you back to Fool's Gold, where a newcomer to town might finally meet the man she never knew she needed…

Angel Whittaker earned his scars the hard way, but the scars that can't be seen are the ones that haunt him the most. Since he moved to Fool's Gold, California, he's cobbled together a life for himself as a bodyguard trainer. If he's not exactly happy, at least his heart is safe.

Working with pro-football superstars taught tough-talking PR woman Taryn Crawford one thing—she can go toe to toe with any man. But then dark, dangerous former Special Ops Angel targets her for seduction…and challenges her to resist his tempting kisses.

Even in four-inch heels, Taryn never backs down. Unless, somehow, Angel can convince her that surrender might feel even better than victory.


A minha opinião: Esta é a primeira vez que visito Fool's Gold fora da época natalícia. O que não significa que não se passe nada na cidade, porque como a protagonista salienta a certo ponto na história, há sempre algo a acontecer/ser celebrado naquela cidade.

A cada ano a autora dá início a uma espécie de série dentro da série, ou seja, introduz um novo conjunto de personagens que serão os protagonistas dos livros a publicar nesse ano. E, nesta sub-série, os protagonistas serão os sócios de uma empresa de relações públicas que acabou de mudar a sua sede para Fool's Gold.

Taryn Crawford é a protagonista, e a fundadora da empresa. A ideia de mudar a empresa para Fool's Gold não foi dela e ainda se está a adaptar à mudança. E o seu visual citadino não a ajuda propriamente a misturar-se na multidão... Mas talvez tenha sido por isso que despertou o interesse de Angel Whittaker, também ele relativamente novo na cidade (trabalha na academia de defesa pessoal, cujos empregados foram protagonistas da sub-série anterior).

Taryn não acredita no amor, afinal nada no seu passado lhe provou que exista, e apesar de continuar amiga do seu ex-marido (e sócio na firma), os seus sentimentos por ele são mais do tipo fraternal. E é por isso que gosta de estar sempre em controlo, o que Angel instintivamente percebe, garantindo-lhe que esperará que seja ela a tomar a iniciativa. O que por sua vez a deixa frustrada, porque não quer ser ela a dar o primeiro passo.
Entretanto Angel, também proveniente de uma cidade pequena, quer contribuir para a comunidade e, após consultar a Mayor Marsha, oferece-se para ser chefe de um dos grupos dos Future Warriors of the Máa-zib (uma espécie de escuteiros). O que ele não sabe, e que só descobre na primeira reunião de chefes, é que ao contrário do que ele esperava os Future Warriors of the Máa-zib são raparigas e, no caso dele, raparigas de sete anos...

Angel não percebe absolutamente nada de miúdas e pede a ajuda de Taryn, que assume a função de sub-chefe do grupo. E foi aqui que a história me pareceu pouco credível, pois para alguém descrito como citadino e sempre nos trinques, Taryn adaptou-se demasiado facilmente às actividades de um grupo de escuteiras...

Como não podia deixar de ser, ambos os protagonistas têm algo a superar, no caso de Taryn um trauma relacionado com o pai que a impede de confiar plenamente em alguém, no caso de Angel o facto de ter perdido a mulher e o filho num acidente quando estava no exército que fez com que não se queira voltar a apaixonar para não voltar a falhar àqueles que ama. Nenhum deles quer mais do que um caso, mas já se sabe que nesta cidade nunca podia ser assim tão fácil...

Gostei da história, mas não me consegui envolver muito no romance dos protagonistas. Não que não houvesse química entre eles, porque havia, mas porque achei a Taryn um bocado contraditória. Também tive dificuldade em aceitar a reacção do Angel à morte da família, quer dizer, dor e mágoa eu entendo, mas culpa?

Como não li os anteriores não conheço as histórias dos colegas do Angel que surgem também neste livro, mas gostei de antever as futuras histórias que terão como protagonistas os sócios da Taryn. Tendo em conta as mulheres com quem se irão emparelhar, prevejo momentos bastante divertidos...

Ah, e estou muito curiosa para saber qual será o novo slogan da cidade, já que o anterior, "Fool's Gold. The Land of Happy Endings." deu azo a momentos hilariantes entre a Taryn e os seus sócios.

Classificação: 3

-------------------------------------------------------------------

Este livro conta para os Desafios Netgalley & Edelweiss Reading 2015 e TBR Pile 2015.

Sem comentários:

Publicar um comentário