quarta-feira, 4 de maio de 2016

Opinião: "A Jangada de Pedra"

www.wook.pt/ficha/a-jangada-de-pedra/a/id/16393940?a_aid=4e767b1d5a5e5&a_bid=b425fcc9
Autor: José Saramago
Editor: Editorial Caminho
Edição/reimpressão: Janeiro de 2000
ISBN: 9789722121002
Páginas: 350

Sinopse: Em A Jangada de Pedra (…) o escritor recorre a um estratagema típico. Uma série de acontecimentos sobrenaturais culmina na separação da Península Ibérica que começa a vogar no Atlântico, inicialmente em direcção aos Açores. A situação criada por Saramago dá-lhe um sem-número de oportunidades para, no seu estilo muito pessoal, tecer comentários sobre as grandezas e pequenezas da vida, ironizar sobre as autoridades e os políticos e, talvez muito especialmente, com os actores dos jogos de poder na alta política. O engenho de Saramago está ao serviço da sabedoria.

Real Academia Sueca, 8 de Outubro de 1998

Sinopse retirada daqui 

A minha opinião: Comprei esta edição de A Jangada de Pedra porque o produto da sua venda foi integralmente destinado às vítimas do sismo no Haiti em 2010. Mas porque entretanto até já conhecia a história porque vi a sua adaptação cinematográfica em 2002, lá foi ficando na pilha dos livros por ler...

Contudo agora uma combinação de factores (estava na lista de livros propostos para leitura na Comunidade de Leitores e o meu kindle morreu) fez com que chegasse finalmente a sua vez. E a verdade é que ainda me lembrava bem da história, mas posso dizer que este é um dos raros casos em que gostei mais do filme...

A premissa é tão irreal e fantástica que, só por si, vale a pena: uma série de acontecimentos estranhos, aparentemente não relacionados, culminam no surgimento de uma falha nos Pirinéus, exactamente no ponto que separa a Península Ibérica da França. Primeiro foram os cães de Cerbère (uma comuna francesa dos Pirinéus Orientais) que começaram a ladrar quando nunca antes o tinham feito no preciso momento em que Joana Carda riscou o chão em Portugal com uma vara de negrilho. Depois foi Joaquim Sassa que, ao passear numa praia do Porto, pegou numa pedra pesada e atirou-a ao mar, mas a pedra viajou muito mais longe do que deveria considerando o seu tamanho e peso e a força do homem que a atirou. Ao mesmo tempo, em Espanha, Pedro Orce começou a sentir a terra tremer e não mais deixou de o sentir, mesmo que todos os sismógrafos nada registem. E no dia seguinte, em Portugal, José Anaiço começou a ser constantemente seguido por um bando de estorninhos. E depois Maria Guavaira, em Espanha mais uma vez, descobre um pé de meia velho e decide desmanchá-lo para aproveitar a lã azul, mas descobre que, por mais que desmanche, a meia não diminui de tamanho.

À medida que o tempo passa, e apesar dos estudos e tentativas da engenharia para o impedir, a falha nos Pirinéus vai aumentando, até que a Península Ibérica se separa de vez do resto da Europa e inicia uma viagem para Oeste. A Península, assim chamada por hábito já que é agora uma ilha, parece vaguear à deriva pelo Atlântico, o que gera uma inquietação na população e uma desorientação nos dirigentes políticos de Portugal e Espanha, mas também do resto da Europa e, eventualmente, dos Estados Unidos da América. Pode a Península continuar a fazer parte da Europa quando se afasta cada vez mais dela?

Entretanto, depois de ver uma notícia sobre Pedro Orce, Joaquim Sassa decide meter-se no seu Dois Cavalos e ir à procura dele. Mas, pelo caminho, ouve a história de José Anaiço e resolve procurá-lo primeiro. E quando ambos contam uma ao outro as suas respectivas histórias, resolvem ir juntos em busca de Pedro Orce. Já reunidos os três em Espanha resolvem regressar a Portugal onde os encontra Joana Carda com a sua vara de negrilho. E há uma imediata ligação entre ela e José Anaiço. Ela insiste em mostrar-lhes o risco que fez com a vara no chão e que não desaparece de maneira nenhuma. E é precisamente aí que um dos cães de Cerbère os encontra e os guia até à casa de Maria Guaivara que tem uma imediata ligação com Joaquim Sassa.

E é aí que decidem partir até aos Pirinéus para verem a falha deslocando-se agora numa viatura que tem literalmente Dois Cavalos. Dois casais, um homem idoso e um cão, todos eles causa ou consequência da separação da Península, pois quem sabe se foram as suas acções que causaram a falha ou se foi a falha a causar os estranhos fenómenos que experimentaram? Mas, um pouco à semelhança do que se passava com o resto da população, todos eles foram bastante afectados pela deriva da jangada de pedra e pela incerteza de onde irá ela parar...

Embora tenha gostado muito de ler A Jangada de Pedra, confesso que me foi impossível não comparar o livro ao filme, que adorei. É que, apesar de já ter visto o filme há 14 anos, foi daqueles que marcou e lembrava-me ainda do principal que dele retirei: ao ver-se afastada da Europa, a população viu despoletar em si um sentimento de identidade ibérica, muito para além da nacionalidade portuguesa ou espanhola, e o nascimento, talvez, de uma nova nação, a Ibéria. Ora isso não surge no livro e para mim diminuiu o impacto do final do mesmo. Há também uma alteração na identidade do José Anaiço que no filme é espanhol que, embora ache desnecessária, até entendo o porquê de ter sido feita, pois achei que o facto de ambos os casais serem constituídos por um elemento português e um elemento espanhol era mais um factor que contribuía para o despoletar desta nova identidade.

Ainda assim gostei mesmo muito. Embora não seja uma leitura rápida nem fácil, é muito agradável e prazenteira. A atenção ao pormenor e a forma como tudo está ligado é testemunho do génio do autor e eu mal posso esperar por ler os seus livros que ainda me faltam ler.

Classificação: 4

-------------------------------------------------------------------
Este livro conta para os Desafios Mount TBR 2016 e TBR Pile 2016

Sem comentários :

Enviar um comentário